Páginas

sábado, 17 de março de 2012

PALAVRA PERDIDA

suspeito que o soneto agora venha
com a força motriz de uma enxurrada
desmorona o que em mim já não contenho
aos solavancos despenco em disparada

a equipe de resgate exige senha
sem a qual já não pode fazer nada:
um certo desespero se desenha
mas justo a senha cejo desenhada

alguma instância no meu coração
enxerga sem mistério e sem segredo
o que em silêncio tagarela a vida:

o amor essa forma de canção
inunda tudo e desbarranca o medo
soterrando a Palavra assim Perdida...